Ansiedade nos relacionamentos

Muitas pessoas tem facilidades em conhecer muita gente atraente e  interessante, principalmente para possíveis relacionamentos afetivos, mas quando menos esperam, as coisas não saem do jeito esperado. Com a mesma facilidade que conseguem encontrar um grande círculo interessante e atraente, acabam também afastando essas pessoas.

No momento em que percebem o fracasso do (possível) relacionamento, evidentemente ficam muito tristes e confusas e sem entender o que fizeram de tão errado. Por insistência lutam inutilmente mesmo parecendo que as chances são pequenas e talvez até nulas na tentativa de dar sequência ao relacionamento que em alguns casos nem se quer tinha iniciado.

Isso ocorre com muitas pessoas e um dos motivos pode ser a ansiedade. Muitas vezes para escapar o mais rápido possível da solidão ou para viver uma linda e grande história de amor, as pessoas se deixam levar pela ansiedade e todos os sonhos depositados precocemente em um possível relacionamento pode se tornar um pesadelo.

Quando surge um primeiro encontro e logo depois a possibilidade de acontecer um novo relacionamento, muitas pessoas entram em uma ansiedade imensa que tende a devorá-las. Começa com as expectativas, ilusões e fantasias se sobrepondo ao que está acontecendo de verdade na vida real. A ansiedade pode envenenar tanto o corpo quanto a mente e isso pode prejudicar tudo.

Muitos criam tantas expectativas logo no encontro seguinte que em pouco tempo já estão planejando tantas coisas que seria preciso muito tempo para pensar e amadurecer a ideia. Por isso é preciso prestar atenção aos exageros que podem prejudicar um possível início de relacionamento que poderia dar certo.

Se a pessoa permite que a ansiedade (exagerada) tome conta de si a ponto de prejudicar o início de um novo relacionamento já é hora de procurar reconhecer e aceitar que não há como prosseguir uma relação afetiva, amorosa, feliz e saudável quando logo de inicio, é revelado total desespero.

A insegurança e o medo de que as coisas não aconteçam conforme os seus sonhos e suas expectativas, é muito comum e natural, mas chegar ao ponto de exagerar com planos e mais planos com uma pessoa que ainda nem conhece direito é o caminho certo para o fracasso e a frustração.

Os relacionamentos começam com expectativas e empolgação, mas as garantias ainda são incertas e só se tornam mais seguros e firmes depois de algum tempo. O início é sempre uma tentativa que aos poucos vai demonstrando e provando se realmente vale a pena prosseguir e também é nisso que vem os desafios para encarar o seu futuro e de não cair na rotina.

O medo de que as coisas não aconteçam como gostariam que fossem, gera uma grande ansiedade e pode levar muitas pessoas a tomar atitudes impensadas, precipitadas e não percebem que tudo isso assusta e afasta possíveis relacionamentos, sendo que o desejo  e  a intenção seria de aproximar e unir.

Então, na tentativa de minimizar as sensações e sentimentos que incomodam, as pessoas criam muitas expectativas, sonhos e ilusões cheias de imediatismos por conta própria, sem perceber que com estes mecanismos só geram mais ansiedade, insegurança e angústia. Com isso, surgem alterações de humor e comportamentos que podem se tornar instáveis.

Com a intenção de conseguir os resultados esperados há uma aceleração do pensamento e comportamento para que todos os desejos e expectativas ao possível relacionamento se realizem o mais rápido possível. Por isso, passam a idealizar o amor, a paixão, a relação e a pessoa amada como tão perfeita que na maioria das vezes acabam não correspondendo com a realidade.

Portanto, com todas essas sequências de sentimentos, pensamentos e comportamentos decorrentes da ansiedade, é previsível que acabe prejudicando o início de um possível relacionamento que mal teve chances de acontecer, de se tornar uma realidade e a ponto também de tornar-se firme, agradável e satisfatório.

Após todos esses acontecimentos negativos, as expectativas e sonhos se transformam em arrependimentos, frustrações, vazios, impotência e tristezas… Pensamentos de que tudo poderia ter sido diferente caso tivesse agido de outra forma. E com isso vem também a clássica pergunta: “Onde foi que eu errei?”.

Por esses motivos é necessário tentar se esforçar para controlar essa ansiedade que tanto prejudica, concentrando-se no presente, no momento em vez do amanhã. Dessa forma é possível evitar a repetição de todos esses dilemas que só geram sofrimento, discussões desagradáveis e tensão.

É preciso também prestar atenção em quais os detalhes e acontecimentos negativos mais frequentes em suas relações, pois são muito importantes para avalia-las. Se também tem criado qualidades inexistentes e fantasiosas nas pessoas que acabaram de conhecer e que ainda nem sabem direito quem é, se essas pessoas ainda estão com sentimentos mal resolvidos, se buscam ou não o mesmo tipo de relacionamento e intensidade.

Todas essas possibilidades podem acontecer e podem até mesmo estarem evidentes, mas que as vezes se tornam invisíveis porque a ansiedade é tão intensa que pode mascarar algo que está mais que claro, e que só se percebe depois que tudo já passou e deu errado. Por isso, é importante e necessário procurar recuperar o equilíbrio emocional para que a ansiedade não possa mais prejudicar possíveis relacionamentos.

Para quem costuma se deixar levar pela ansiedade, todo esse exercício é uma tarefa muito difícil. Mas a inciativa em tomar uma posição é muito importante para que as situações e acontecimentos não sejam sempre frustrantes, negativos e infelizes. Por isso, nada deve ser forçado e acelerado.

Então, é preciso deixar que as coisas aconteçam naturalmente, ”dar tempo ao tempo”, procurar conhecer melhor a pessoa antes para depois decidir se vale mesmo a pena investir em um relacionamento, e mesmo que isso pareça um velho clichê o melhor mesmo a fazer é ”deixar rolar”.

Muitas pessoas conseguem pelo menos atenuar a ansiedade praticando variados hobbies e alguns tipos de meditação que mais lhe agradam e se identificam. Porém, se as coisas não se resolverem de forma interna, é preciso procurar ajuda externa (amigos, psicoterapia) para que possa restabelecer o equilíbrio mental e emocional.